26.6.12

8º Capítulo - “nunca te quero perder.”

Untitled
Antes disso, na terça-feira à noite, liguei para a Dona Mariana, enquanto o Duarte estava no treino:
- Estou, olá Dona Mariana!
- Olá Filipa. Então tudo bem?
- Sim e consigo?
- Também.
- Eu liguei-lhe para falarmos dos preparativos para a festa do Dudu. – Disse eu. - Afinal ainda havia montes de coisas a fazer apesar de ser uma festa pequena.
- Ah sim. Pois fizeste bem em ligar-me.
- Então a festa será aí em casa não é?
- Sim. É suposto ele não estar à espera de nada, simplesmente vai chegar do treino, acender as luzes e nesse momento gritamos “SURPRESA!”.
- Oh que fixe. E em relação ao bolo? – Perguntei eu, pois acabara de me lembrar desse pormenor importantíssimo.
- Não sei, eu estive a pensar num bolo do Benfica, mas esse foi no ano passado…
 - Pois não podemos repetir! – Dito isto ouço a Dona Mariana do outro lado a gritar.
- Já sei! Que tal fazermos um bolo com uma fotografia tua e do Duarte juntos? Ele iria adorar. E era uma grande homenagem à pessoa que mais o tem apoiado ultimamente – tu!
- Ah isso é uma grande ideia! Mas devia ser só uma fotografia dele, afinal é ele que é o aniversariante. – Eu tinha adorado a ideia mas sentia-me envergonhada em ser uma foto também minha.
- Pronto se tu não queres… Então vou encomendar o bolo, pode ser que chegue a tempo da festa. – Eu tinha ficado desiludida com a facilidade que a mãe do Duarte desistiu da ideia, mas aceitei. Continuámos a combinar os pormenores da festa até o Dudu chegar a casa.
Rapidamente chegou o grande dia. Quando dei por mim já estava escondida em casa da Dona Mariana à espera do aniversariante. A casa estava decorada com um placard enorme que dizia “PARABÉNS” e com balões.
Mal entrou, ele acendeu as luzes e todas gritámos:
- Surpresa!!
- Uau, o que é que se passa aqui? – Perguntou ele, muito admirado pois não estava nada à espera daquilo.
- Organizamos-te uma festa surpresa Dudu, gostas? – Disse eu.
- Mas é claro que gosto. Obrigada a todas! – Respondeu ele, muito feliz, enquanto vinha ter comigo dar-me um abraço. Fez o mesmo com a mãe dele e com a minha.
Ele foi tomar um duche rápido, mudar de roupa e em menos de 30 minutos veio ter connosco para festejar. Foi muito giro, pusemos música e divertimo-nos imenso.
Quando fomos cantar os parabéns, foi uma surpresa quando a Dona Mariana mostrou o bolo do Dudu! Este tinha a minha fotografia e a do Duarte, feita de açúcar, mas que apesar disso estava muito nítida. Como é óbvio não estava à espera pois tínhamos combinado que seria só a fotografia do Dudu no bolo e não uma nossa.
- Uau! – Disse eu muito surpreendida.
- Esta também era uma surpresa para ti Filipa, pois como te disse tens ajudado muito o Duarte e tu mereces. 
- Bem, obrigada mas pensava que tínhamos ficado pela foto do Dudu! – Respondi eu.
- Pois mas não achaste que desisti com muita facilidade da ideia? – Disse a Dona Mariana.
- Sim, pareceu-me que sim, mas não liguei muito a isso.
- Olha Filipa, a minha mãe fez muito bem em fazer-nos esta surpresa porque tu mereces depois de todo o apoio que me tens dado! Obrigada por tudo! – Disse o Dudu. Ele estava naqueles momentos muito lamechas. Com isto abracei-o.
Chegara a horas de dar as prendas. Não fora nada fácil para mim e para a minha mãe escolher-lhe uma prenda, mas tínhamos optado por comprar-lhe uma T-shirt vermelha (a cor preferida dele) com desenhos, que seria a prenda da minha mãe. Mas a minha prenda seria algo mais relacionado com nós.. Comprei-lhe  uma moldura, onde pus uma foto nossa e escrevi-lhe uma carta a dizer o quão importante ele era para mim.
Quando abriu as prendas:
- Então gostas da T-shirt? É da minha mãe. – Disse eu.
- Sim é bué gira. Adoro, obrigada Dona Ana.
- Vê este embrulho, é o meu. – Disse-lhe eu, enquanto lhe estava a dar o outro embrulho, o da moldura, com a carta.
- Uma foto nossa! Tão fofinha! Ah e tem aqui uma carta! – Disse ele com um sorriso nos lábios.
- Ah, sim. Lê e depois diz-me se gostaste. – Respondi eu.
- Oh, tão querida! Obrigada por tudo Filipa, adoro-te muito! – Disse ele, depois de ler a carta e enquanto me abraçava. Via-se que ele tinha gostado da surpresa!
Depois disso, a mãe deu-lhe a prenda dela, que eram uns bonecos super-heróis que ele andava a pedir há muito tempo. Ele adorou, claro.
Depois cantámos os parabéns e continuámos a divertir-nos, até serem 22h30 e serem horas de começarmos a arrumar tudo, pois no dia seguinte seria dia de escola.
No dia a seguir, como sempre o Dudu veio-me buscar a casa. Ele estava com a blusa que lhe tinha dado.
- Bom-dia Dudu! Tudo bem? – Disse eu muito animada.
- Bom-dia Filipa, sim e contigo? – Retorquiu ele, também muito animado.
- Também! Então gostaste da festa de ontem?
- Claro que sim, obrigada por tudo. Quero que saibas que te adoro muito e nunca te quero perder. És muito importante para mim! – Ele estava tão querido!
- Oh, eu também te adoro muito, também nunca te quero perder e sim também és muito importante para mim. – Respondi eu.
Continuámos a falar, e quando estávamos quase a chegar à escola, senti alguém a agarrar-me pelo braço. Voltei-me para trás, para ver quem era.
- Quem é o senhor? O que quer de mim? – Perguntei eu agitada.

5 comentários:

CSJA ** disse...

Wow !! Publica o próximo rápidoooooooo, pleasee *.*

Princesa Perdida disse...

Lol prometo que vou tentar *.*

poeta apaixonada disse...

Está muito fixe
Despacha-te com o próximo u.u

Princesa Perdida disse...

Obrigada ♥
Vou tentar, já comecei a escrever mais ainda vou demorar...

Duarte M. disse...

Deixa-me adivinhar,era o pai dele? xD ou o pai desaparecido dela?xD