28.3.13

35º Capítulo - "Como estás amor?"

- Mas mãe…! – Disse eu, pronta para ripostar. 
- Não quero ouvir mais nada. Pega nas tuas coisas. 
Aquilo era desastroso. Demasiado mau para ser verdade. Depois de tanto tempo naquela casa, habituada a viver com o Dudu no mesmo quarto, iríamos embora. Nem conseguia acreditar no que se estava a passar. Milhões de coisas me assaltavam o pensamento, tudo ao mesmo tempo. Tinha medo que a minha relação com o Dudu ficasse afetada. Tinha medo do que poderia acontecer dali para a frente. Tinha medo de ter medo. 
Em breve fui obrigada a fazer as malas e tivemos de sair porta-fora. Não conseguir sequer imaginar no que viria a seguir. Eu estava chateada, extremamente chateada. Com a minha mãe. Com tudo. 
Guardava as boas memórias do hotel. Do que tinha acontecido entre mim e o Dudu. Tudo aquilo fora tão lindo, tão maravilhoso. Mas e agora? 
Em breve chegámos a casa. Não conseguia sequer fingir que estava bem. Era tudo demasiado estranho. 
A casa estava bastante desarrumada. Aliás, nem era desarrumada, era… Simplesmente notava-se que já ninguém fazia por lá uma boa limpeza há algum tempo. Tudo cheio de pó. Tudo parecia sinistro. Não se era do pó que concedia à casa um aspeto antigo, se era de estar tudo semi às escuras que fazia todos os poucos objetos tomar formar sombras estranhas ou se era eu que estava a dar largas à imaginação. Fui para aquele que era o meu quarto. Estava tudo tal e qual tinha deixado. Mas já não o sentia como meu. Aquele já não era o meu quarto. O meu quarto era em casa do Dudu, com o beliche ali ao pé da janela, a secretária do outro lado… Aqui parecia que nada me pertencia. Sentia-me como uma estranha que estava a visitar os seus parentes que nunca tinha visto. 
- Então, estás a olhar para o vazio? – Disse a minha mãe acabada de entrar no quarto. 
- Problemas? – Respondi, arrogante. Nunca tinha falado assim com a minha mãe.
- Filipa…
- Deixa-me. Eu não quero ouvir nada. Mais uma vez puseste os teus preconceitos à frente do meu bem-estar. Era lá que eu era feliz. Ao lado do Duarte… - Fui interrompida.
- A fazer amor com o Duarte…
- Por amor de deus mãe! Aconteceu. Não é nada do outro mundo, em que século vives? Além disso nós fomos responsáveis. E só aconteceu uma vez. Uma única vez. Tanto drama por causa de uma coisa tão… - Voltei a ser interrompida.
- Tão o quê? Tão insignificante? Eu não acho. Imagina que se repetia. Que na altura nem se lembravam da existência de proteção e tu engravidavas. O que fazias depois? Quem ia tomar conta da criança? Tu? O Duarte? A Mariana? 
- Que filme mãe! Nós não íamos fazer nada sem proteção, não somos irresponsáveis. – Retorqui.
- Nota-se. Mas vá, toca a arrumar tudo no seu sítio. Tira-me essa cara filha, em breve esta voltará a ser a nossa casa! – Disse, com uma felicidade que para mim era incompreensível. 
Ela saiu e eu fechei a porta rapidamente atrás dela. Logo de seguida tranquei-a e sentei-me na cama. As lágrimas começaram a rolar-me pela cara contra a minha vontade. Olhei para o teto na tentativa de as parar mas não parecia resultar. Eu pensava na minha mãe como um monstro, naquele momento. Decerto estava a exagerar, mas não conseguia compreender como é que ela me podia fazer isso. A minha mãe. Ela era a culpada de tudo. Daquelas lágrimas, do meu afastamento do Dudu, da minha tristeza. 
Decidi que aquela revolta não me ia levar a lado nenhum e peguei na minha mala para arrumar tudo no armário e de seguida fiz uma pequena limpeza por ali. Pouco depois abri o pc e fiquei a ouvir música. A minha chamou-me para jantar mas eu não a ouvi até ela vir ao quarto. Já estava fartinha de me chamar, palavras dela. Fui jantar. Escusado será dizer que mal toquei na comida, pois estava sem vontade nenhuma de comer. Ela reparou, mas não comentou. 
Os meus pensamentos voltavam para o Dudu. Por mais que quisesse, não conseguia evitar isso. Era o assunto que me preocupava. O que iria ser de nós? Bem sei que a maioria dos casais da nossa idade não moram juntos, mas era diferente. Só estar com ele na escola era muito pouco. O que iria ser das nossas brincadeiras antes de adormecer-mos? Das gargalhadas, dos abraços, dos beijinhos? Daqueles momentos que passávamos antes de dormir? Tudo aquilo estava a dar comigo em doida. Mal acabei de jantar fui para o quarto e tranquei-me lá. Não me apetecia falar, apenas queria ficar sozinha. Fazia questão de segurar as lágrimas. Não o sabia bem porquê.  
Tentei convencer-me que tudo iria ficar bem. Que em breve a minha mãe mudaria de ideias. Que iria voltar a ter aqueles momentos maravilhosos com o Dudu. Que iria voltar a ouvir o “bom-dia” da D. Mariana pela manhã. Mas isso não aconteceu. 
Acabei por ir dormir. Ou pelo menos fui para a cama, tentando adormecer. Quase o tinha conseguido quando o telemóvel vibra. “Princesa?”. Era do Dudu. 
“Diz meu amor”.
Ele: “Posso ligar?”
“Para quê?”
“Para ouvir a tua voz.” 
Liguei-lhe. 
- Como estás amor
- A tentar sobreviver. E tu?
- A morrer de saudades.
(silêncio)
- Fazes-me falta princesa. As nossas brincadeiras parvas. 
- Tenho frio.
- Imagina que estou aí.
- Não é a mesma coisa…
- Oh amor… 
- Vem ter comigo. - Disse-lhe.
(ele desliga)
Tento ligar de novo. Nada. Fiquei preocupada. O que se terá passado?

15 comentários:

დ Rute M ಌ disse...

demorou xD
mas adorei! coitados deles, a mae dela e muito mazinha!

So' disse...

Ele foi ter com ela? :D estou super curiosa

Smile Teen disse...

Lindo!
Para quando pões o próximo?

Mariana disse...

adorei .
Sigo**
Segues-me??
Espero que o próximo capitulo ainda seja mais emocionante

დ Rute M ಌ disse...

deixa la comigo tambem nao!

ღ Carol disse...

ola comecei o meu blog hoje e queria pedir te um grande favor
sera que podes divulgar o meu blog por favor ?
segui:)

Carina Azevedo disse...

Aiii a sério, parabéns pela forma CATIVANTE como escreves :) até parece que te conheço, só pela forma como descreves as coisas! wow!

Parabéns mesmo, sou novata, mas já sou tua fã! :D*

Rafaela disse...

Adorei, fofa*

Duarte M. disse...

So agr e que vi :D despachate a continuar ahaha paras sempre no momento crucial grrrr:P

Anónimo disse...

;*

Princesinhaa Oliveira disse...

A atitude da mae dela, nao foi a melhor :S
Será que ele foi ter com ela?
Estou ansiosa pelo proximo :)

Anónimo disse...

encontrei o teu blog hoje e já li os 35 capítulos de seguida, tens jeito :) quero ler a continuação ♥

Quase-Princesa disse...

woow, a sério? fico muito feliz que o tenhas feito :) e obrigada :3 claro que sim ♥

Anónimo disse...

siiiim, está perfeito! venho aqui todos os dias ver se já há continuação, ahah :) ♥

Anónimo disse...

prometeste um novo capítulo para sexta-feira :( pôxa princesa, quero mesmo continuação! !